O sentido do sofrimento

O sofrimento é o balsamo divino que nos serve como remédio para o apuramento de nossas imperfeições. Quando sofremos, seja fisicamente ou mentalmente, somos chamados a reflexão e assim, começamos a repensar toda a nossa vida, em muitas vezes é através desses instantes, voltando-se para dentro que despertamos para a crença superior. Assim em meio ao processo globalizado em que vivemos atualmente, acabamos envolvidos também, onde a nossa prioridade passa a ser o “ter”, trabalhamos tanto em prol da matéria que nos esquecemos também da outra peça fundamental para a harmonia da vida na terra, que é o “ser”. Assim como alimentamos o nosso corpo, a nossa alma também precisa ser alimentada com momento de limpeza interior, e calmaria para estabelecer o contato divino e apurar a nossa intuição, ao nos esquecer disso adocemos.

O sofrimento nada mais é do que o ponteiro que indica o caminho a seguir, uma emoção que adoeceu e precisa ser cuidada para estabelecer novamente a organização das células do corpo. Temos que sair de nosso cativeiro interior e começar a olhar o sofrimento como um professor fantástico, pois ele nos aprofunda gradualmente e vai enfraquecendo o nosso ego mental e as nossas percepções de mundo ao qual nos agarramos tanto.

Quando sentimos que já sofremos o suficiente, então estamos preparados para uma nova maneira de viver e enxergar a vida, pois depois de um nível de sofrimento começamos então a perceber que somos o causador dessa enfermidade, por nossa resistência a tudo que existe. Quantas são as vezes que nós irritamos por não aceitar a opinião do outro, melindres diários em família e no ambiente de trabalho, orgulho e vaidade que dilaceram a alma. Câncer adquirido devido a mágoas por não aceitar um determinado caminho que o filho resolveu seguir, lembranças de um passado que deve ser perdoado. Problemas de coração pelo ressentimentos, pressão alta devido ao stress, etc…

O sofrimento é o sentimento transformador que capacita o nosso vaso quebrado através de tantos conflitos interiores. Quando o aceitamos como um aliado para o nosso crescimento espiritual começamos a tirar lições dos acontecimentos de nossa vida, as circunstâncias ficam mais leve. Pois assim começamos a enxergar o mundo diferente, onde tudo aquilo parecia ser somente espinho, aprendemos que nada mais são, do que uma troca de estação, para depois começar a nascer as primeiras flores.