ESCOLHA O QUE SENTIR

Hoje pela manha acordei para iniciar a minha caminhada diária pela praia. Gosto de caminhar na beirada da água e sentir a energia do mar. Vario o percurso pela areia, banhada pelo manto azul, catando algumas conchas, e imaginando histórias sobre a criação dela e sobre seres místicos que podem habitar o fundo do mar, que é um cenário cheio de surpresas.

O mar tem o poder curador de renovar energias e trazer novamente uma conexão intima. Todos que tem o privilegio de morar perto do mar devem se permitir pelo menos uma vez na semana fazer essa transmutação de energia. Por isso ultimamente busco fazer as caminhas sentindo diretamente meus pés com a conexão divina.

Porém, hoje foi um pouco diferente, ao fazer a caminhada passei por uma experiencia negativa. Entre um passo e outro meus pés experimentaram uma dor terrível, quando fui levanta-los para descobrir o que havia acontecido. Percebo um peixe boi enfiado com seus espinhos nos meus pês. O retirei sentindo uma dor horrível e o sangue rapidamente caia sobre a sola do meu pé. Corri para a água afim de limpar, mas já não conseguia mais colocar meus pés no chão pela dor e o inchaço.

Em plena Segunda feira, o início da semana, um dia cheio de afazeres, estava impossibilita de conseguir andar, e seguir adiante com o planejado para o meu dia.

Entretanto o universo me deixava claro duas escolhas: Fica irritada pelo imprevisto, ou tentar não dar muita atenção ao acontecimento, mesmo que isso interferisse no meu dia. Optei pela segunda escolha: “não dar muita atenção” e tentar me adaptar a aquele impedimento temporário.

Foi um pequeno acontecimento que me fez ter uma profunda reflexão sobre o quanto o que sentimos pode mudar o nosso dia e até a nossa vida. A experiencia negativa poderia ter me deixado irritada e assim interferir completamente no meu dia. Poderia ainda oscilar a minha relação com o próximo fazendo descontar aquele aborrecimento em alguém, ou poderia aproveitar o episódio para culpar a vida.

Quantas vezes deixamos o externo interferir em nosso dia a dia? A irritação no trânsito, uma discussão com alguém, aquilo que não saiu como planejado, os melindres, a falta de tolerância para compreender a visão do outro. E assim focamos apenas no negativo, nos apegamos a situações ruins deixando aquela energia seguir conosco pelo resto do dia, ás vezes até por dias e semanas.

Ao chegar em casa resolvi me adequar a situação presente da forma que faria no meu dia aquilo que estivesse ao meu alcance, e aquilo que não poderia ser feito deixaria para outro momento. Dessa vez decidi agir completamente diferente de como costumava agir. E concentrar apenas no positivo! Vivenciar a possibilidade de caminhar todos os dias pela praia, fazendo parte daquele cenário único. Conseguir vislumbrar com os olhos os pássaros deixando pegadas sobre a praia, a graça do sol acariciando o mar. Ouvir a dança das ondas se arrebatando sobre a areia.

Situações negativas acontecem na vida de todos, a qualquer instante, mas que estejamos tão ocupados vivendo a gratidão e o positivo do que acontece, que não sobre espaço para o negativo.