Ninguém nunca vai te amar verdadeiramente, ninguém nunca vai tocar a sua alma, enquanto você continuar a se esconder. Durante muito tempo, achei que essa era a melhor maneira de manter a proteção. Tudo bem! Ninguém nunca vai me magoar; família, amigos, relacionamentos, porque me mantive presa a um ovo imaginário, e lá estou ligada ao divino. Nada me fraqueja, nada, não darei essa chance a ninguém.

Mas em uma manhã de uma primavera resolvi repensar toda a minha vida e assim, quis quebrar aquele ovo, porque isso significaria viver.

E, é pior do que imaginei, não porque espero demais do outros, mas porque minha alma sempre soou mais leve em compaixão, o que dói menos nos outros, para mim é tão dramático. Acho tantas coisas injustas, não aceito tantas coisas, tenho uma piedade que grita em mim. Uma sensibilidade que derrete por minhas arestas, e que a tanto tempo quis a manter fechada para não me machucar, mas sem perceber que com a porta trancada estava me machucando ainda mais. Pois é a possibilidade de dividir sentimentos que tona a nossa bagagem mais leve. Levei anos para descobrir isso.

Mas hoje ao sair do ovo, comecei a dar meus primeiros passos… O divino ainda estava em mim, mas agora, precisava mostrar o divino aos outros.

É como mostrar aquilo que muitos não querem ver? Por temerem, assim como eu, abandonar suas cascas. Mas, precisamos da metamorfose, não podemos levar conosco coisas que pesam, apenas asas nos aproxima do infinito…

Entretanto essas experiências dolorosa são o que nos torna forte para os dias a seguir. Pois em meio ao caos, é onde estará a construção das maiores virtudes. É no exercício dos desafios diários que estamos nos transformando.

Sair do mundo interno e viver o mundo real é a oportunidade mais fantástica que podemos dar aos nossos sonhos… Pois é somente nesse instante que a verdade acontece, que alguém encosta em você, de alma para alma e assim a vida passa a existir.