“A esperança não é o que me nutre, pois esperança é a espera de algo sem a certeza, e isso é como soltar uma bola de sabão ao ar sem garantias se ela vai ou não estourar, após! O que cabe a mim, é muito maior do que uma espera, apesar de estar vivendo a espera, só a vivo porque tenho a certeza do encontro…”

Eu sei que essa existência é como uma biblioteca escondida, ainda estou um pouco perdida limpando algumas poeiras, tirando traças de alguns lugares, lendo livros e relendo outros, são tantos que em cada um compartilho um pouco de história, entretanto alguns não encaixam aos meus valores, então nem termino de ler.

Apesar de tudo isso, dessa vasta biblioteca e de todas as possiblidade de não encontrar o livro perfeito, sei que ele deve estar ali em algum lugar. Talvez entre meus dedos pelas prateleiras não o encontrei por um descuido, um título um pouco empoeirado que não me foi permitido ser encontrado porque não era o momento certo ainda. Ou também porque ele é um livro tão especial que está tão bem escondido quanto aos outros, e vou ter que ler mais alguns antes de encontrá-lo, para então assim conseguir dar a ele o devido valor.

Porém de todas as chances que me espera, vivo entre leituras diárias, e doses homeopáticas de confiança de que num momento em que menos esperar, por um acaso combinado a minha história vai ser encontrada.

Então a biblioteca será o meu porto seguro de experiências, para assim escrever o meu livro.